sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Maitê d'Arc

(cartoon de António Jorge Gonçalves, no Inimigo Público)

De facto, já não há pachorra para tanta indignação com tão transcendente assunto.

4 comentários:

silvia conceição disse...

Ola, sou estudante de graduaçao de Ciencias Sociais da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianopolis -BRASIL, e apaixonada pela antropologia. Cheguei ao seu blog por acaso, agora visito sempre...fiquei curiosa em saber o que ocorre com a maite??

:))

(Paulo Granjo) disse...

Uma tempestade em copo de água, por causa de uma reportagem depreciativa sobre Portugal.
Se clicar em "assunto", vai ter a uma notícia sobre isso.
A "fruta da época" é outra notícia interessante (impressionante), envolvendo um auto-de-fé de livros por parte de uma igreja norte-americana.

samya disse...

Oi Paulo tudo bem? Pois entao, me espantou ver que tanta gente leva a serio a opiniao da maite proença, mas que falou besteira a mulher falou, mas nao acho que ofendeu nem Portugal e nem o Brasil, ja que ela so representa ela mesmo e o programinha de televisao de segunda onde passou dita materia. Quanto a queimar livros eu nao me espanto nao, venho do pais onde nasce uma igreja em cada esquina e uma mais doida que a outra. Uma vez queriam que o prefeito do Rio proibisse o Carnaval e o Candomble porque eram coisas do demo e responsaveis pela violencia no Brasil. Ja tinha razao o Marx e o doutor House. abraços

(Paulo Granjo) disse...

É mesmo, Samya.
Mas, depois de décadas de piadas de português, faz meio mundo um drama por causa de uma reportagem de gozação com Portugal? Transformam uma reportagem até mal feita (pois havia muito mais coisas, e mais importantes, para caçoar) numa questão de lesa-pátria? Não há paciência...
Curioso, também, é que parte dos ofendidos foram pessoas que têm colunas de opinião nos jornais porque, precisamente, as usam para ridicularizar e ofender outras pessoas mais conhecidas.